Criatividade é persona non grata? A perspectiva de professores das ciências da natureza

Autores

  • Edson Seiti Miyata Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Maria Vitória Campos Mamede Maia Universidade Federal do Rio de Janeiro

Resumo

O objetivo do presente artigo é debater qual perspectiva sobre criatividade está presente entre professores das Ciências da Natureza. Nosso campo foi um curso técnico de Metrologia na cidade de Duque de Caxias/RJ, tendo seus professores como sujeitos da pesquisa. Partimos da seguinte pergunta: será a criatividade persona non grata entre esses professores? Nosso estudo está fundamentado nos aportes teóricos de Alencar et al. (2015), Alencar e Fleith (2010), Amabile (2012, 2017) e Guilford (1950, 1957). A pesquisa, de cunho qualitativo, foi realizada por meio de entrevistas. Os dados foram analisados conforme a técnica da Análise de Conteúdo Temática (BARDIN, [1977]/2016). Foi observado que os professores reconhecem a relevância da criatividade para sua prática docente, para o processo de aprendizagem do aluno e para neutralizar a suposta aridez das disciplinas das ciências da natureza. Por outro lado, observou-se a presença das visões inatista e espontaneí­sta da criatividade entre os entrevistados. Palavras-chave: Criatividade. Ciências da natureza. Ensino técnico.

Biografia do Autor

Edson Seiti Miyata, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutorando e mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), bacharel em Comunicação Social / Publicidade e Propaganda pela Universidade Federal Fluminense (UFF), pós-graduado em Marketing e licenciado em Comunicação Social pela Universidade Cândido Mendes (UCAM). Atualmente é Pesquisador-Tecnologista em Metrologia e Qualidade do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia - Inmetro, integrando o Centro de Capacitação com foco nas ações de ensino e de capacitação em metrologia e avaliação da conformidade, e professor dos cursos de MBA e de graduação da Universidade Estácio de Sá, com ênfase em gestão. Integra o grupo de pesquisa "O lúdico no processo de ensino-aprendizagem - LUPEA", do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), coordenado pela Prof. Dra. Maria Vitória Campos Mamede Maia. Tem experiência e atua principalmente nos seguintes temas: educação, educação a distância, marketing e comunicação. ORCID: https://orcid.org/0000-0001-8552-1048

Maria Vitória Campos Mamede Maia, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professor Associado da UFRJ em Psicologia da Educação, Professora do Programa de Pós-graduação em Educação da UFRJ, Pós-doutoranda em Design Pedagógico pela Pontifí­cia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2019), Doutora em Psicologia Clí­nica pela Pontifí­cia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2005), Mestre em Letras pela Pontifí­cia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1986). Graduada em Psicologia pelo Centro Universitário de Brasí­lia (1998) e em Letras pela Pontifí­cia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1982). Coordenadora e fundadora do Espaço de Atendimento Psicopedagógico ao aluno da Faculdade de Educação - UFRJ - EAP. Coordenadora do grupo de pesquisa Criar & Brincar: o lúdico no processo de ensino-aprendizagem - LUPEA. Membro associado da ANPED- Região Sudeste - GT - Psicologia da Educação. Membro associado da SBPC. Membro da ANPEPP - GT Psicopatologia Fundamental .Pesquisadora colaboradora da Universidade Federal do Paraná (Núcleo de pesquisa do Desenvolvimento Humano e Núcleo de Psicanálise). Consultora ad hoc de diversas revistas, como: Arquivos Brasileiros de Psicologia (1809-5267); Revista Mal-Estar e Subjetividade (1518-6148); Interação em Psicologia (1981-8076) e Revista Psicologia Clí­nica (0103-5665), dentre outras. . Possui experiência na área de Psicopedagogia, Psicanálise, Psicologia, com ênfase em Linguagem e Subjetividade, Pensamento Winnicottiano e freudiano, atuando principalmente nos seguintes temas: Winnicott, tendência anti-social, agressividade, autismo, psicose, Psicanálise, Freud, problemas de aprendizagem e problemas de desenvolvimento da aprendizagem, criatividade, ludicidade, jogos e brinquedos. Autora do livro "Rios sem discurso": a agressividade da infância na contemporaneidade, São Paulo:Vetor, 2007 ; o livro Criar & Brincar: o lúdico no processo de ensino-aprendizagem, Rio de Janeiro:WAK, 2014; O brincar na prática docente Rio de Janeiro:WAK, 2020. Site do grupo de pesquisa: grupocriarebrincar.wix.com/lupea .ORCID https://orcid.org/0000-0002-9697-8243 E RESEARCHER ID http://www.researcherid.com/rid/G-4031-2012

Downloads

Publicado

14-04-2021

Como Citar

Miyata, E. S., & Maia, M. V. C. M. (2021). Criatividade é persona non grata? A perspectiva de professores das ciências da natureza. Revista Educação E Cultura Contemporânea, 18(54), 13–30. Recuperado de https://mestradoedoutoradoestacio.periodicoscientificos.com.br/index.php/reeduc/article/view/8851

Edição

Seção

Criatividade, lúdico e interculturalidade